UM BREVE HISTÓRICO DO NUPEA
por Eliane de Fátima Vieira Tinoco e Márcia Maria de Sousa

O presente texto tem por objetivo apresentar o histórico, os objetivos, as linhas de pesquisa e atividades desenvolvidas pelo Núcleo de Pesquisa Ensino e Extensão do Departamento de Artes Visuais da Faculdade de Artes, Filosofia e Ciências Sociais, da Universidade Federal de Uberlândia no período de 2000 a 2006.

O NUPEA - Núcleo de Pesquisa no Ensino de Arte – foi criado no ano de 2000 pela professora Ms. Elsieni Coelho da Silva – docente da área de ensino da arte do Departamento de Artes Plásticas – DEART – da Universidade Federal de Uberlândia – UFU –, em função de uma pesquisa anterior que esta professora havia realizado, em 1997, sobre metodologias de ensino e práticas de sala de aula de professores de Arte, quando assumiu as disciplinas de Prática de Ensino no Curso de Artes Plásticas da UFU, e percebeu a dificuldade de muitos professores de Arte que atuavam na rede municipal de ensino de Uberlândia em verbalizar sobre suas práticas e as analisar.

Assim, o NUPEA teve como objetivo inicial dar suporte teórico e metodológico para que professores de Arte que pertenciam ao Grupo de Estudos de Professores de Arte do CEMEPE – ligado à Secretaria Municipal de Educação de Uberlândia – pudessem, juntamente com uma aluna do Curso de Artes Plásticas da UFU, elaborar projetos de pesquisa para inserção em programas de mestrado.

Naquele contexto, o NUPEA surgiu como um espaço de aprofundamento teórico e de iniciação à pesquisa para os professores e alunos de Arte da cidade e, principalmente, para alguns professores que já participavam do Grupo de Estudos de Professores de Arte do CEMEPE e buscavam novos horizontes para suas práticas a partir da realização de uma pesquisa mais sistematizada.

No ano de 2001, apesar de não realizar reuniões durante o período de greve pelo qual passou a UFU, o NUPEA manteve o contato com os professores que dele participavam, colaborando na organização da 1ª Semana de Reflexões e Ações sobre o Ensino de Arte [1]. Dessa forma, o núcleo de pesquisa promoveu a aproximação do Grupo de Estudos de Professores de Arte do CEMEPE com o Curso de Artes Plásticas da UFU, por meio das ações promovidas nesse evento.

Em 2002, apesar de as reuniões do NUPEA acontecerem esporadicamente e com a participação de apenas três alunos do Curso de Artes Plásticas da UFU, o grupo foi formalizado no CNPq como Grupo de Estudo, tendo como prioridade o desenvolvimento de ações e estudos nas seguintes linhas de pesquisa: A formação do professor, Historia do ensino da arte, Imagem no ensino da arte e Material didático e pedagógico.

A partir de maio de 2003, as reuniões do NUPEA, voltaram a acontecer mensalmente, contando com a participação de dez professoras de Arte, entre elas, seis professoras da rede municipal, duas professoras da ESEBA – Escola de Educação Básica da UFU – e duas professoras da rede particular. Logo no início das reuniões, a professora Ms. Elsieni Coelho da Silva, coordenadora do grupo, fez um levantamento das aspirações profissionais e dos assuntos de interesse do grupo. Esse levantamento tinha como intuito estabelecer um dos objetivos desse grupo de estudos, que era “Incentivar futuros e atuais professores de Artes Plásticas a incorporar a pesquisa como meio permanente de sua formação, dando-lhes apoio na formação inicial e continuada, numa perspectiva de construção de autonomia;” (SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE EXTENSÃO, Pró-Reitoria de Extensão, Culturas e Assuntos Estudantis, Universidade Federal de Uberlândia, 20 de abril de 2005).

A partir daí, o grupo optou por iniciar suas leituras e discussões com o livro Saberes Docentes e Formação Profissional, de Maurice Tardif (2002), em função de sua obra abordar a pesquisa na formação do professor. Ao fazer a leitura e discussão da obra de Tardif (2002) – em que o autor expressa a importância da pesquisa educacional voltada para as práticas docentes cotidianas, pois estas são constituidoras de saberes diversos, e caracteriza os professores como produtores e portadores de conhecimentos que revelam esses saberes -, os professores do NUPEA confirmaram a necessidade de realizar investigações sistematizadas sobre suas práticas de sala de aula como forma de conscientização da diversidade e importância desses saberes.

Nesse mesmo ano de 2003, as discussões nas reuniões do NUPEA continuaram com a leitura do livro Cultura Visual, Mudança Educativa e Projeto de Trabalho de Fernando Hernández (2000), escolhida por também conferir um papel importante à pesquisa na formação do professor de Arte e por trabalhar com as questões relacionadas à pedagogia de projetos.

Assim, o Grupo de Estudos de Professores de Arte do NUPEA consolidou-se, nesse ano de 2003, como espaço de formação continuada para o professor de artes plásticas, no sentido de intensificar as possibilidades de conexão entre os saberes constituídos nas práticas docentes dos contextos locais com a produção teórica sobre formação de professores e ensino da arte.

Em novembro de 2003, a partir de um convênio firmado entre a UFU e o Instituto Arte na Escola, o NUPEA passou a fazer parte do Pólo UFU da Rede Arte na Escola ganhando com isso mais suporte para o desenvolvimento de formação continuada para professores de Arte.

Em 2004, as reuniões do NUPEA passaram a ser quinzenais e com a participação de, aproximadamente, doze professores de Arte, entre eles, nove professoras do Grupo de Estudos de Professores de Arte do CEMEPE, e dois alunos do Curso de Artes Plásticas da UFU, além da integração da professora Ms. Roberta Maira Melo Araújo do DEART/UFU em função de seu retorno do período de mestrado. Nesse ano, os estudos e leituras do grupo concentraram-se nas questões relacionadas à leitura e à análise da imagem, apontadas ainda no final do ano anterior, como uma das questões em que os participantes do grupo sentiam-se deficientes em sua formação e que necessitava de leitura e aprofundamento.

Considerando que o grupo não tinha leituras consistentes sobre o assunto, a coordenadora do NUPEA sugeriu que a Professora MS. Aninha Duarte, que trabalhava com a disciplina Crítica de Arte no Curso de Artes Plásticas da UFU, fosse convidada a ministrar um curso para o grupo, abordando métodos de análise de imagens, o que teve a aprovação dos professores. A professora Aninha Duarte trabalhou durante o primeiro semestre de 2004 com os professores do NUPEA, propondo leituras e apresentação de seminários em pequenos grupos. Após os seminários, a professora Aninha propôs a cada professor que escolhesse uma imagem para fazer um Ensaio Crítico, utilizando um ou mais métodos de análise abordados durante o curso.

No segundo semestre de 2004, as ações do NUPEA mantiveram o foco na análise da imagem mediante dois cursos: um curso ministrado pela professora Dra. Heliana Ometto Nardin, também do Curso de Artes Plásticas da UFU, em que discorreu sobre a Gestalt e as implicações dessa teoria na análise de obras de arte; e outro curso sobre a análise da imagem ministrado pelo professor Dr. Márcio Pizzaro do Programa de Mestrado em Artes Visuais da UFG, em que foi abordada a inter-relação entre a arte e a antropologia.

Com os cursos que aconteceram em 2004, os participantes do NUPEA aprofundaram um pouco mais suas leituras sobre os métodos de análise de imagens e perceberam que esse assunto mereceria ainda mais discussão e leitura. Assim, ficou definido que os estudos realizados no NUPEA continuariam na perspectiva do aprofundamento dos aspectos teóricos, conceituais, e, principalmente, dos procedimentos metodológicos adotados em cada um dos métodos de análise da imagem.

Desse modo, as reuniões do Grupo de Estudos de Professores de Arte do NUPEA, em 2005, consistiram no aprofundamento dos estudos sobre os métodos de análise de imagens, mais especificamente, no Método Iconológico e na Semiótica. Durante o mês de abril, os participantes do grupo concentraram suas leituras e discussões no Método Iconológico, realizando seminários e contando com a participação da professora Ms. Valéria Ochôa, docente do Departamento de Artes Plásticas da UFU, que apresentou, em uma das reuniões do grupo, sua dissertação de mestrado, elaborada no Instituto de História da UFU, na qual utilizou o Método Iconológico na análise de imagens.

Em seguida, o Grupo de Estudos de Professores de Arte do NUPEA iniciou os estudos sobre Semiótica. Percebendo as dificuldades do grupo em compreender as diferenças entre as sub-áreas e os termos específicos que existem dentro da Semiótica, em maio de 2005, a coordenadora do NUPEA convidou a professora Dra. Sandra Diniz Costa, ex-docente da UFU da área de lingüística, para realizar uma palestra sobre os princípios da Semiótica, as ramificações dessa área de conhecimento e os respectivos autores que as representavam. Até o mês de setembro, os estudos sobre Semiótica mantiveram-se por meio da leitura de textos de Santaella (1983 e 1999), Ana Cláudia Oliveira (2004) e Buoro (2002), que foram apresentados em forma de seminário pelos participantes do grupo. Em outubro desse mesmo ano, a professora Dra. Lucimar Bello foi convidada pelo Grupo de Estudos de Professores de Arte do NUPEA a ministrar um mini-curso de oito horas de Introdução à Semiótica Greimasiana, que foi aberto também à não-participantes do NUPEA.

Enquanto isso, em virtude do afastamento da professora Elsieni da coordenação do grupo para fazer doutorado em outra cidade, o Grupo de Estudos de Professores de Arte do NUPEA passou a ser coordenado pelas professoras Ms. Aninha Duarte do Departamento de Artes Plásticas da Universidade Federal de Uberlândia – DEART – e Ms. Marileusa Reducino da Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia – ESEBA –, que, nos últimos meses de 2005, concentraram esforços, juntamente com os participantes do grupo, na formalização do NUPEA na Universidade Federal de Uberlândia mediante a elaboração de regimento para o núcleo de pesquisa, regimento para publicações do núcleo e definição das metas e estudos do grupo.

Ao retomarmos o percurso histórico das reuniões, ações e produções escritas realizadas pelo Grupo de Estudos de Professores de Arte do NUPEA, verificamos que, as leituras e discussões realizadas trouxeram, para os professores de artes visuais/plásticas que delas participaram, o aprofundamento teórico-conceitual de assuntos e questionamentos que surgiam no âmbito da sala de aula, mas que necessitavam de estudo e aprofundamentos constantes, como é o caso da formação docente e da leitura de imagens.

Nessa perspectiva, evidenciamos a importância do NUPEA como núcleo de pesquisa e grupo de estudos, ou seja, como espaço de leitura e de discussão que abastecem as práticas de sala de aula, enriquecendo e ampliando de forma significativa o repertório teórico-conceitual e, especialmente, de confiança e credibilidade no trabalho realizado pelo professor em sua sala de aula.
Como menciona Davini (1997, p.44), em relação à importância do grupo na formação do professor:

Cada grupo está no eterno movimento de ir e vir no caminho da mistura, do igualar-se até a diferenciação, a busca de criar uma identidade onde cada um possa sentir-se reconhecido. Este caminho pulsa temporalmente, embora no âmbito lógico, fazendo infinitas combinações entre o eu e o outro.

Assim, reafirmamos a importância do NUPEA, como grupo de estudos que se constituí e se mantêm no movimento de agregar e reelaborar necessidades individuais e, assim, produzir um coletivo de professores de Arte. Entendemos que as ações e as produções do NUPEA produzem um movimento de aprendizado e de busca contínuos na formação docente.

_________________
[1] A 1ª Semana de Reflexões e Ações sobre o Ensino de Arte foi uma iniciativa que partiu da professora Cíntia Guimarães Santos Souza e contou com a colaboração de professores que participavam do NUPEA, num momento em que esta professora atuava como professora substituta no Curso de Artes Plásticas da UFU. Inicialmente, a proposta da Semana tinha como objetivo aproximar professores de Arte da cidade com os estudantes de licenciatura do Curso de Artes Plásticas da UFU, além de trazer a Uberlândia palestrantes de outras universidades e contextos educacionais para socializarem suas práticas. Em 2002, 2003, 2004 e 2005, a Semana continuou acontecendo, sempre no 2º semestre letivo. Ao longo desses anos, a coordenação e organização desse evento foi se modificando no sentido de contar, em cada ano, com uma equipe diferente em função do término de contratos dos professores substitutos e das parcerias com outros órgãos da UFU como a Diretoria de Culturas da Pró-Reitoria de Extensão Culturas e Assuntos Estudantis - Dicult/PROEX e com a SME através do CEMEPE. A partir de 2004, passamos a contar com a participação efetiva dos professores e alguns alunos dos cursos de Música e Artes Cênicas da UFU.